Connect with us

Coberturas

Wilson Witzel: O triunfo de um desconhecido

Novo governador do RJ, Wilson Witzel atuou por 17 anos como juiz federal no Espírito Santo e no Rio de Janeiro 

Published

on

Wilson Witzel governador Rio de Janeiro eleições 2022 2018 novo governador resultado eleições Cristian Edel Weiss Diário Catarinense NSC Total jornalista de dados multimídia Alemanha Brasil
Publicada originalmente no Diário Catarinense em 29/10/2018


Clique para ver em pdf

 

Novo governador do RJ, Wilson Witzel atuou por 17 anos como juiz federal no Espírito Santo e no Rio de Janeiro 

CRISTIAN WEISS
cristian.weiss@somosnsc.com.br
ENVIADO ESPECIAL AO RIO DE JANEIRO

Um desconhecido ruma para o Palácio Guanabara, a sede do governo do Rio de Janeiro. Até três semanas atrás, era raro encontrar alguém que tinha ouvido falar no nome de Wilson Witzel (PSC) pelas ruas da capital fluminense e sabia da sua trajetória. Aos 50 anos, o ex-juiz federal natural de Jundiaí (SP) lançou-se à vida política em março ao se filiar no PSC e, na primeira empreitada, desbancou até mesmo o ex-prefeito Eduardo Paes (DEM), que liderou o município de Rio de Janeiro no seu auge: ao sediar a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016.

Com 4.675.289 (59,87%) votos contra 3.134.250 de Paes, Witzel venceu uma eleição com traços quase idênticos à de Santa Catarina: o candidato que apoia Jair Bolsonaro arrebata votos Estado adentro com discurso de renovação, do novato na política, sem os vícios e ranços do sistema, mesmo partindo de 1% das intenções de voto no início da campanha, em agosto.

Apesar de liderar a votação e obter 41,28% dos votos válidos no primeiro turno, a trajetória no segundo round não foi tão serena como parecia. Conforme as pesquisas avançavam, Witzel via sua performance encolher e a do adversário expandir nas pesquisas. A aparente derrocada tinha motivo: o eleitor passou a conhecer melhor o candidato e a desconfiar.

Na última semana, vieram à tona denúncias de supostas relações próximas de Witzel com Sérgio Cabral, ex-governador que está preso pela Lava-Jato, um advogado e um empresário. O advogado foi condenado a três anos por subornar policiais ao ser abordado enquanto levava no porta-malas o traficante Antonio Bonfim Lopes, o Nem da Rocinha, auxiliando-o na fuga. O empresário teria ainda extenso histórico de contratos bilionários suspeitos com o Estado, alguns feitos sem licitação.

Advertisement

Witzel atuou por 17 anos como juiz federal no Espírito Santo e no Rio de Janeiro. Entre os processos que conduziu, não há protagonismos. Em março, decidiu pedir exoneração do cargo para se filiar ao Partido Social Cristão, o mesmo ao qual pertencia Jair Bolsonaro de 2016 até o início deste ano.

Desde então, o ex-juiz e ex-fuzileiro naval passou a defender posições duras contra a criminalidade. Chegou a dizer em setembro ao jornal O Globo que bandidos com fuzil devem ser abatidos pela polícia. Vociferava não ter medo da criminalidade, embora tenha permanecido pouco tempo à frente da Vara Criminal. O discurso radical e a tentativa de colar sua imagem à de Bolsonaro o fizeram decolar nesta eleição.

No discurso da vitória, ontem à noite, no centro de eventos Ribalta, na Barra da Tijuca, o vencedor enalteceu o apoio recebido nas urnas, sobretudo no interior do Estado.

– Neste segundo turno, percebemos que a esperança renasce do povo do Rio de Janeiro. A votação expressiva no interior conclama um olhar atento à situação vivenciada pelos municípios da zona rural, que tem sido abandonados, inclusive com violência que outrora não era algo que preocupava – disse.

Ele ainda afirmou que pretende nomear secretários até novembro e não descarta o pedido para abreviar o decreto de intervenção militar, que vence em 31 de dezembro.

Advertisement

O novo governante terá pela frente um desafio maior do que a epopeia eleitoral. Terá de devolver aos trilhos um Estado quebrado, com explosão da violência, cofres públicos colapsados, atraso de salários, fechamento de empresas e fuga de investidores. Além disso, foi diretamente castigado pelos escândalos de corrupção envolvendo a Petrobras – cuja matéria-prima, o petróleo, engorda as receitas do Estado com os royalties – e pela herança de Sérgio Cabral, ex-governador, preso desde 2017.

A partir de hoje, o  anonimato, além  do sossego de Witzel chegam definitivamente ao fim.

PERFIL

NOME: Wilson Witzel
IDADE: 50 anos
PARTIDO: Partido Social Cristão (PSC)
VICE: Claudio Castro
PARTIDO DO VICE: Partido Social Cristão (PSC)
COLIGAÇÃO: Mais ordem, mais progresso (PSC / PROS)
VOTOS TOTAL: 4.675.289
PERCENTUAL: 59,87%

 

Voltar para Portfólio | Voltar para a Home

Advertisement
Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Trending