Connect with us

Portfólio

Por que é tão difícil preservar?

Donos de imóveis históricos como o casarão 35 da Rua Itajaí reclamam que faltam especialistas e incentivos do poder público para restaurar casarões

Published

on

patrimônio histórico casarão blumenau demolição preservação imposto Cristian Edel Weiss Jornal de Santa Catarina jornalista de dados multimídia Alemanha Brasil
Publicada originalmente no Santa em 16/2/2010


Clique para ver em pdf

 

Donos de imóveis históricos como o casarão 35 da Rua Itajaí reclamam que faltam especialistas e incentivos do poder público para restaurar casarões

CRISTIAN WEISS
BLUMENAU

À mercê da ação do tempo e dependentes da boa vontade dos proprietários, imóveis erguidos na prosperidade do Século 19 agonizam. Alto custo de materiais, falta de especialistas e de incentivos financeiros são as justificativas para a inércia de donos e do poder público. No número 35 da Rua Itajaí está o casarão construído em 1886, tombado pelo Estado. Nele, há três anos obras de restauro buscam recuperar toda a estrutura da casa.

Administrado atualmente pela Rieschbieter Engenharia Indústria e Comércio, o imóvel já recebeu o investimento de R$ 1 milhão – quase o dobro do valor pelo qual foi adquirido. Programada para ser concluída em 2009, a reforma atrasou devido ao comprometimento da estrutura do imóvel.

– Só o telhado tivemos de refazer três vezes, porque a estrutura cedeu. São imprevistos que precisam ser contornados com paciência – conta Carlos Rieschbieter, um dos proprietários da casa.

Para ele, apesar de o restauro ser oneroso, todo o investimento foi válido porque o imóvel pertenceu a seu avô, Walther Schmitd.

Comprometida, a construção em estilo enxaimel, combinado à alvenaria maciça, teve de ser totalmente restaurada. O telhado foi refeito, os pisos recuperados e os ornamentos da fachada foram reconstituídos. Apesar de atrasado pelo menos um ano, o restauro do casarão é um fato à parte no município.

Ao todo, em Blumenau, são 96 construções tombadas pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artítisco Nacional (Iphan), Fundação Catarinense de Cultura e pelo poder público municipal. Desses, menos de 10 foram restaurados nos últimos cinco anos, segundo a diretora de Planejamento Urbano do Município, Vera Regina Krummenauer. O motivo da falta de manutenção: desinteresse dos proprietários e falta de fiscalização.

A maior parte dos imóveis – 60 deles – foi tombada pelo Estado e a prefeitura não pode notificá-los porque depende da intervenção do governo estadual.

Falta de especialistas e incentivos financeiros dificulta restaurações

Saindo do casarão da Rua Itajaí, basta atravessar o início da Rua XV de Novembro, no Centro, para encontrar um cenário antagônico. O antigo Casarão dos Cristais, no número 25, tem sido revitalizado desde 2006, quando parte da estrutura administrativa da Fundação Cultural foi transferida para o local.

Ao lado, no entanto, ainda agoniza o casarão 41, antiga residência e sede comercial do casal Louis Hermann e Agnes Sachtlen, construída no final do Século 19. Um patrimônio tombado pelo Estado, cujo proprietário atual a prefeitura de Blumenau ainda não conseguiu notificar.

Arquiteto especializado em restauro de imóveis históricos, Jonathan Marcelo Carvalho é um dos responsáveis pelos projetos de recuperação do Castelinho da Moellmann, casarão da Rua Itajaí e do Clube de Caça e Tiro Concórdia. Um dos únicos especialistas em restauro do Estado, Carvalho conhece bem o comportamento dos proprietários de imóveis históricos:

– A maioria dos donos acha que ter um casarão desses é um problema. Na verdade é a história viva. Mas é preciso reunir condições financeiras para restaurá-los, e nem todos têm – resume.

Lei garante benefícios, mas poucos proprietários conhecem

Em vigor desde 2005, a Lei Municipal 558 garante benefícios fiscais aos proprietários de imóveis tombados, que executarem obras de recuperação estrutural. O problema é que nem todos têm conhecimento da norma na íntegra. Entre os incentivos estão a isenção do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), ampliação do potencial construtivo e permissão para usar recursos do Fundo Municipal de Conservação do Patrimônio Histórico.

– Para imóveis privados é mais difícil conseguir incentivos. A lei de tombamento é importante para impedir a demolição e preservar a história. Mas os donos também precisam saber que são eles que têm de cuidar, afinal o imóvel é deles – pondera o arquiteto Jonathan Carvalho.

Por contar com pouco recurso, a prefeitura estuda abrir mão de tombar outros casarões em Blumenau. Além dos 96 já tombados, há ainda 400 imóveis cadastrados à espera do processo de tombamento.

De acordo com a diretora de Planejamento Urbano do Município, Vera Regina Krummenauer, apenas 150 devem ser considerados. O restante será descartado por critérios que visam o desenvolvimento econômico da região onde foram construídos e relevância histórica para a cidade.

Reportagem foi manchete do Santa

Benefícios garantidos pela Lei 558

A Lei Complementar Municipal 558, em vigor desde 2005, garante incentivos de ordem construtiva e tributária aos proprietários de imóveis tombados ou cadastrados como patrimônio histórico, que podem:

■ Usar o Fundo Municipal de Conservação do Patrimônio Histórico, Arquitetônico, Paisagístico e Cultural. Embora com poucos recursos – o fundo conta com a média de R$ 1,5 mil mensais, provenientes de multas aplicadas pela prefeitura –, os valores podem ser usados como auxílio financeiro a reformas ou a serviços de restauro nos casarões. Ainda que os recursos sejam apenas municipais, os imóveis tombados pelo Estado ou pela União também podem usar o fundo
■ Ampliar o potencial construtivo – concessão de área prevista para se construir em determinado terreno, previsto pelo Plano Diretor do Município –, que varia de 30% a 50% a mais sobre o tamanho do terreno. Assim, um imóvel tombado que tenha área construída de 1 mil metros quadrados poderá receber até 500 metros quadrados a mais como área a ser construída ■ O incentivo construtivo poderá ser usado também para transferência a outro imóvel, caso o proprietário não deseje construir no mesmo terreno. Assim, o potencial construtivo excedente serve como uma mercadoria, que pode ser vendida a uma construtora, por exemplo, desde que os recursos sejam usados para o restauro do patrimônio ■ Ganhar isenção de tributos como o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), imposto sobre serviço no que se refere a obras ou reformas, taxas de transmissão de imóveis e taxas da prefeitura.


Voltar para Portfólio | Voltar para a Home

Trending

Copyright ©2022 Cristian Edel Weiss